Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


Acessos -
Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /home/jornalpr/public_html/Connections/dbgeral_gersite.php on line 5
162306


Clique aqui para acessar


FACEBOOK

*JORGE DA SILVA SILVA
http://www.facebook.com/PrJorgeSilva

*MÁRIKA SOARES COSTA
http://www.facebook.com/MARIKASOARESCOSTA


Clique aqui e confira as fotos



CLIQUE AQUI E CONFIRA AS FOTOS



CLIQUE AQUI E CONFIRA AS FOTOS


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos

Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


 

Bom Dia! Hoje é: 18/11/2018
Politica

Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /home/jornalpr/public_html/Connections/dbgeral_gersite.php on line 5
EX-VICE-PRESIDENTE JOSÉ ALENCAR MORRE AOS 79 ANOS
Nos últimos 13 anos, Alencar enfrentou batalha contra o câncer. Ele passou por diversas cirurgias e buscou tratamento alternativo nos EUA.Do G1
O ex-vice José Alencar (Foto: Futura Press)
O ex-vice-presidente da República José Alencar, 79 anos, morreu às 14h41 desta terça (29), no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em razão de câncer e falência múltipla de órgãos, segundo informou o hospital.
A presidente Dilma Rousseff afirmou em Portugal que o velório será no Palácio do Planalto. O primeiro ministro a se manifestar,Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, se emocionou ao receber a notícia durante uma entrevista (saiba o que disseram políticos e personalidades).
Na última das várias internações, Alencar estava desde segunda (28) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com quadro de suboclusão intestinal.
O ex-vice-presidente lutava contra o câncer havia 13 anos, mas nos últimos meses, a situação se complicou.
Após passar 33 dias internado – inclusive no Natal e no Ano Novo –, o ex-vice-presidente havia deixado o hospital no último dia 25 de janeiro para ser um dos homenageados no aniversário de São Paulo.
A internação tinha sido motivada pelas sucessivas hemorragias e pela necessidade de tratamento do câncer no abdômen. No dia 26 de janeiro, recebeu autorização da equipe médica do hospital para permanecer em casa. No entanto, acabou voltando ao hospital dias depois.
Durante o período de internação, Alencar manifestou desejo de ir a Brasília para a posse da presidente Dilma Rousseff. Momentos antes da cerimônia, cogitou deixar o hospital para ir até a capital federal a fim de descer a rampa do Palácio do Planalto com Luiz Inácio Lula da Silva.
Ele desistiu após insistência da mulher, Mariza. Decidiu ficar, vestiu um terno e chamou os jornalistas para uma entrevista coletiva, na qual explicou por que não iria à posse e disse que sua missão estava “cumprida”. Na conversa com os jornalistas, voltou a dizer que não tinha medo da morte. “Se Deus quiser que eu morra, ele não precisa de câncer para isso. Se ele não quiser que eu vá agora, não há câncer que me leve”, disse.
No mesmo dia, ele recebeu a vista de Lula, que deixou Brasília logo após a posse de Dilma.
 
INTERNAÇÕES
Os últimos meses de Alencar foram de internações sucessivas. Em 9 de fevereiro, ele foi hospitalizado devido a uma perfuração no intestino.
O ex-vice-presidente já havia permanecido internado de 23 de novembro a 17 de dezembro para tratar uma obstrução intestinal decorrente dos tumores no abdômen. No dia 27 de novembro, foi submetido a uma cirurgia para retirada de parte do tumor e de parte do intestino delgado.
Alencar passou alguns dias na UTI Cardiológica e começou a fazer sessões de hemodiálise depois que os médicos detectaram piora da função renal. Em setembro de 2010, foi internado em razão de um edema agudo de pulmão.
No dia 25 de outubro, voltou ao Sírio-Libanês ao apresentar um quadro de suboclusão intestinal. Dias após a internação, ainda no hospital, sofreu um infarto no fim da tarde do dia 11 de novembro. Foi submetido a cateterismo, “que não mostrou obstruções arteriais importantes”.
 
BATALHA CONTRA O CÂNCER
O ex-vice-presidente travou uma longa batalha contra a doença. Nos últimos 13 anos, enfrentou uma série de operações e tratamentos médicos. Foram mais de 15 cirurgias. Em abril de 2010, desistiu da candidatura ao Senado para se dedicar ao tratamento do câncer.
Desde 1997, foram mais de dez cirurgias para retirada de tumores no rim, estômago e região do abdômen, próstata, além de uma cirurgia no coração, em 2005.
A maior delas, realizada em janeiro de 2009, durou quase 18 horas. Nove tumores foram retirados. Exames realizados alguns meses depois, no entanto, mostraram a recorrência da doença.
Também em 2009, iniciou em Houston, nos Estados Unidos, um tratamento experimental contra o câncer. Alencar obteve autorização para participar, como voluntário, dos testes com um novo medicamento no hospital MD Anderson, referência no tratamento contra a doença. O tratamento não surtiu o efeito esperado e o então vice-presidente voltou a fazer quimioterapia em São Paulo.
José Alencar era casado com Mariza Campos Gomes da Silva e deixa três filhos: Josué Christiano, Maria da Graça e Patrícia.
 
TRATAMENTO NO EXTERIOR
O tratamento experimental nos EUA em 2009 não foi a primeira tentativa de Alencar de obter a cura fora do país. Ele já havia viajado para os Estados Unidos em 2006 para se tratar com especialistas. No ano seguinte, no entanto, os exames mostraram que o câncer havia se espalhado para o peritônio, uma membrana que reveste as paredes do abdômen.
 
 
Lula se emociona e chora ao falar da morte de José Alencar

 

Ex-presidente disse que vai dedicar título 'honoris causa' a José Alencar.'O Brasil perde um homem de dimensão excepcional', disse Lula. Natasha BinDo G1, em Coimbra (Portugal)

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Coimbra, Portugal. (Foto: Natasha Bin/ G1)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi às lágrimas nesta terça-feira (29), em Coimbra, ao falar sobre a morte do ex-vice-presidente José Alencar. "Conheço poucos seres humanos que tenham a alma de José Alencar, a bondade dele”, disse. “O Brasil perde um homem de dimensão excepcional”.
José Alencar, 79 anos, morreu às 14h41 desta terça (29), no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em razão de câncer e falência múltipla de órgãos, segundo informou o hospital. Lula e Dilma disseram ter recebido a notícia juntos, por telefone, pelo médico Raul Cutait.
Lula e Dilma regressam ao Brasil nesta quarta-feira (30), após cerimônia na Universidade de Coimbra de entrega do título "doutor honoris causa" ao ex-presidente Lula.
Lula e Dilma devem chegar a Brasília por volta das 20h desta quarta, segundo a assessoria do Palácio do Planalto. As reuniões de Dilma Rousseff com o presidente de Portugal, Cavaco Silva, e com o primeiro-ministro português, José Sócrates, foram canceladas.
O ex-presidente afirmou que vai dedicar o título de "doutor honoris causa" pela Universidade de Coimbra a José Alencar.
MEDICAMENTOS
Lula disse que foi questionado pela equipe médica e pela família sobre a possibilidade de Alencar parar de tomar os medicamentos de combate ao câncer. "Eu era favorável que ele parasse de tomar remédio, queria que ele vivesse da forma mais prazerosa possível”, disse Lula.
Lula disse que conversou com Alencar antes de viajar para Portugal. "Falei com ele praticamente toda a semana. Ele era um otimista. Antes de vir para cá, eu liguei para ele", afirmou. "Ele [Alencar] sabia que do ponto de vista clínico não tinha muita expectativa, mas ele tinha esperança", concluiu.
 
 
ASSEMBLEIA DE SP ENCERRA SESSÃO APÓS ANÚNCIO DA MORTE DE ALENCAR
Sessão ordinária de quarta-feira será de homenagens ao político. Presidente da Assembleia considera Alencar um exemplo de luta.
Sessão ordinária foi encerrada nesta terça-feira após anúncio da morte de José Alencar(Foto: Arquivo/G1)
A Assembleia Legislativa de São Paulo encerrou a sessão ordinária desta terça-feira (29) após o anúncio da morte do ex-vice-presidente José Alencar. A Mesa Diretora também decidiu que a sessão ordinária de quarta-feira (30) será dedicada para que os deputados estaduais possam homenagear o político.
José Alencar morreu às 14h41 desta terça, no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em razão de câncer e falência múltipla de órgãos, segundo informou o hospital. A presidente Dilma Rousseff afirmou em Portugal que o velório será no Palácio do Planalto. O corpo será enterrado em Belo Horizonte.
O presidente da Assembleia, deputado Barros Munhoz, afirmou que Alencar era um exemplo de esperança. “O Brasil perde um exemplo de perseverança, de crença, de fé, de ânimo, um verdadeiro paradigma político, de empresário e de cidadão. Um homem fantástico, de uma trajetória de vida inimaginável, principalmente pelo exemplo de luta, de fé, de esperança. Um dos maiores exemplos neste sentido na história do Brasil”, disse Munhoz.
 
 PREFEITO DE SP DECRETA LUTO OFICIAL EM HOMENAGEM A JOSÉ ALENCAR
Gilberto Kassab esteve no hospital onde o ex-vice-presidente morreu. Luto oficial começa a partir desta quarta-feira (30 de março de 2011).Roney DomingosDo G1 SP
 
O ex-vice-presidente José Alencar (Foto: AE)
O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, anunciou na tarde desta terça-feira (29) que vai decretar luto oficial de três dias na capital paulista, a partir desta quarta-feira (30), pela morte do ex-vice-presidente José Alencar. Nesta tarde, Kassab fez uma rápida visitar à família de Alencar no Hospital Sírio-Libanês.
O ex-vice-presidente da República José Alencar , 79 anos, morreu às 14h41 desta terça, em razão de câncer e falência múltipla de órgãos, segundo o hospital. Alencar estava desde esta segunda (28) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Sírio-Libanês com quadro de suboclusão intestinal.
O ex-vice-presidente lutava contra o câncer havia 13 anos, mas nos últimos meses a situação se complicou. Após passar 33 dias internado – inclusive no Natal e no Ano Novo –, Alencar havia deixado o hospital no dia 25 de janeiro para ser um dos homenageados no aniversário de São Paulo.
 
 
ENTERRO
A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira, em Coimbra, que o corpo do ex-vice-presidente José Alencar será velado no Palácio do Planalto. "Falei com o filho dele, o Josué [Alencar], e ele aceitou", disse. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava com Dilma em Portugal, disse ter apoiado a decisão de oferecer o Palácio do Planalto para o velório.
 
RELEMBRE FRASES DO
EX-VICE-PRESIDENTE
JOSÉ ALENCAR
Em 2007: 'Os juros têm sido um dos entraves maiores ao crescimento'.
Em 2009: 'Não tenho medo da morte porque não sei o que é a morte'.
Do G1, em Brasília

José Alencar (Foto: AE),
Leia abaixo frases selecionadas das entrevistas ou pronunciamentos do ex-vice-presidente José Alencar nos últimos anos.(Clique nos temas para ver o contexto em que foram ditas)
Juros (26/01/2007)
“Os juros, se fossem de mercado internacional, tudo bem. Só que eles são um despropósito perto do mercado internacional. O regime de juros no Brasil tem sido um dos entraves maiores ao crescimento, além de representar a razão maior do desequilíbrio orçamentário."


CPMF (20/11/07)
“O Brasil precisa dessa prorrogação [da CPMF], porque isso representa R$ 40 bilhões no Orçamento. Seria uma irresponsabilidade do governo se não lutasse pela aprovação porque ele não tem onde buscar esses recursos para tapar um rombo do Orçamento. Só poderia trazer problemas, levando a perder todo o esforço que resultou nesse crescimento sustentável a que nós estamos assistindo.”
saiba mais
 
CPMF (03/12/07)
"Nós todos somos contra esse imposto. Por quê? Porque esse imposto, de certa forma, é até uma excrescência. Porque ele não é nem imposto de consumo e nem imposto de renda. Então, ele é mais um tipo de tributo que foi posto de forma provisória e que está aí até hoje."
 

Dossiê sobre FHC (28/03/2008)
"Nós não investigamos o governo passado. Reiteramos que não foi feito dossiê. Não é possível, eu tenho certeza. Fizemos basicamente um banco de dados e fornecemos os dados para esse banco.”
 

Lula (01/04/08)
"Lula tem feito muito, muito, mas falta muito para fazer. Eu digo para vocês, eu sou um democrata, não aceitamos conversar sobre outra coisa que não seja democracia. O Lula deseja fazer o seu sucessor, mas eu digo para vocês que, se perguntar para os brasileiros o que os brasileiros desejam, é que o Lula fique por mais tempo no poder."
 

Operação Satiagraha (11/07/08)
“Eu posso dizer que o governo não só está tranquilo, como está aplaudindo a operação da Polícia Federal, porque fora da lei não há salvação e as pessoas têm que compreender isso.”
 

Morte (17/02/09)
"Não tenho medo da morte, porque não sei o que é a morte. A gente não sabe se a morte é melhor ou pior. Eu não quero viver nenhum dia que não possa ser objeto de orgulho. Peço a Deus que não me dê nenhum tempo de vida a mais, a não ser que eu possa me orgulhar dele.”
 

Saúde pública (30/03/09)
“Eu às vezes me sinto culpado porque há seis anos e três meses sou vice-presidente da República e não fiz nada [pela saúde]. É verdade que vice não manda nada, e, quando a causa é boa, pede. E pede com empenho.”
 

Fé (04/08/09)
“[...] É aquela história: seja feita a vontade de Deus em qualquer circunstância. Em qualquer lugar, em qualquer tempo, seja feita a vontade de Deus. Assim você se entrega às mãos de Deus e ganha coragem. Para enfrentar, isso provavelmente seja a principal razão.”
 

Dilma (21/12/09)
“Há uma característica na pessoa da ministra Dilma que deve ser observada: ela é uma mulher brava e nós precisamos sempre que à frente do governo esteja alguém com determinação, com seriedade, com competência. A Dilma possui tudo isso. Não é por acaso que o presidente Lula a escolheu como sua indicada. É porque ela merece, e o Brasil também merece que ela esteja à frente da República.”
 

Juros (27/04/2010)
“O Brasil pode perfeitamente crescer a uma taxa muito boa, de 5% ou 6% ao ano, sem inflação, independentemente de aumentar taxa de juros, mesmo porque as taxas de juros do Brasil são as mais elevadas do mundo. O Brasil hoje é um dos países do Primeiro Mundo e não tem mais sentido conviver com esse tipo de taxa de juros [com] que nós temos convivido.”
 

James Cameron (13/04/10)
"Se passar da conta, tem que dar um ‘pito’ nele." (ao criticar o cineasta James Cameron, diretor de “Avatar”, pelas críticas à construção da usina de Belo Monte, no Rio Xingu)
 

Sequestro (27/04/2010)
“Papai nos ensinava uma coisa muito importante. Papai ensinava que o desespero não ajuda. Então eu tive calma. Tudo bem, passou.” (sobre o golpe do falso sequestro do qual foi alvo no Rio de Janeiro. Ele não chegou a pagar o valor pedido pelo suposto sequestrador).
 

Otimismo (09/07/2010)
"A pressão agora está ótima. O doente mais são que já ficou neste hospital se chama José Alencar."
 

Reconhecimento de paternidade (04/08/2010)
"Os próprios tribunais falam, tem que ter indícios. Se fosse assim, todo mundo que foi à zona um dia pode ser [pai]. Não é possível. São milhões de casos de pessoas que foram à zona, só que grande parte desses casos não têm sido objeto de interesse nem político nem econômico. Agora, pelo fato de eu ter sido, vou me submeter a um DNA, que também não é 100%?"
 
 
CONHEÇA OS PRINCIPAIS FATOS DA VIDA DO EX-VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA
Empresário bem-sucedido, José Alencar iniciou a carreira política em 1994.
Começou a trabalhar aos 14 anos, como vendedor de tecidos.
Do G1, em Brasília
1931 – Nasce José Alencar Gomes da Silva, em 17 de outubro, em Itamuri, município de Muriaé, Zona da Mata mineira. É o 11º filho de um comerciante e uma dona de casa.
1945 – Consegue o primeiro emprego aos 14 anos, como vendedor de tecidos numa loja em Muriaé. Sem dinheiro para alugar um quarto, dorme no corredor de um pensionato.
1950 – Com dinheiro emprestado por um irmão, abre sua primeira loja de tecidos, em Caratinga (MG). Batizada de “A Queimadeira”, vendia de tudo a preços populares.
1953 – Vende a loja e vira vendedor atacadista de tecidos. Trabalharia ainda como comerciante de grãos e sócio de uma fábrica de macarrão.
1967 – Com empréstimos da extinta Sudene e apoio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, funda em Montes Claros a Coteminas, que se tornaria um dos maiores grupos têxteis do país.
1989 - Presidiu por 15 anos (1989-1994) a Federação das Indústrias de Minas Gerais. Dirigiu também a Associação Comercial de Minas e a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte.
1993 – O filho, Josué Christiano Gomes da Silva, assume o comando da Coteminas para que Alencar possa se dedicar à carreira política. Christiano ocupa a vice-presidência e a superintendência geral do grupo têxtil.
1994 – Candidata-se pelo PMDB ao governo de Minas Gerais. Obtém 10,71% dos votos válidos, ficando em terceiro lugar na disputa.
1997 – Realiza cirurgia para retirada de tumores no rim e no estômago.
1998 – É eleito senador com quase 3 milhões de votos, numa das campanhas mais caras do país. Segundo informação dada ao TRE-MG, foram gastos R$ 6,4 milhões na campanha. Como comparativo, Itamar Franco gastou no mesmo ano R$ 2,8 milhões para se eleger ao governo do estado.
2000 – Volta à mesa de operações, desta vez para retirada de um tumor na próstata.
2001 – Desfilia-se do PMDB e, um mês depois, entra para o PL. Antes, recebe convites do PTB e PSB.
2002 – Com a aliança entre PT e PL, em junho, torna-se vice na chapa vitoriosa de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República.
2004 – Passa a acumular a vice-Presidência com o cargo de ministro da Defesa, que exerce até 2006.
2005 – Em meio à crise do mensalão, deixa o PL e, junto a outros ex-integrantes da sigla, participa da fundação do PRB (Partido Republicano Brasileiro).
2005 – Nova internação. Desta vez, Alencar é submetido a uma angioplastia, cirurgia no coração.
2006 – Mesmo enfrentando problemas de saúde, Alencar aceita o convite de Lula para integrar novamente a chapa como vice. Os dois se reelegem para o mandato que vai até 2010.
2006 – Faz duas cirurgias para retirada de um tumor no abdômen, em junho e novembro. Faz tratamento com especialistas nos Estados Unidos.
2007 – Do abdômen, o câncer se espalha e atinge o peritônio, membrana que reveste a região. É internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde é novamente operado.
2008 – Entre os dias 3 e 6 de janeiro, o vice-presidente volta ao hospital, após exames mostrarem uma reincidência do tumor abdominal.
2008 – Em agosto, o vice-presidente iniciou tratamento com um novo medicamento, a Trabectedina, para combater novos tumores abdominais detectados durante exames em julho. Em setembro, ele se submeteu a nova cirurgia para a retirada de três tumores. O procedimento durou seis horas.
2008 – Durante uma visita a Resende (RJ), em 29 de novembro, fortes dores abdominais levaram o vice-presidente a nova internação. O diagnóstico foi enterite (inflamação intestinal). Segundo os médicos, não havia relação com o câncer.
2008 - Vinte dias depois, o vice-presidente foi internado novamente, desta vez para tratar de um quadro de insuficiência renal. Ele deixou o hospital no dia 20 de dezembro.
2009 - Em janeiro, exames detectaram novos tumores no abdômen. A cirurgia para retirada de nove tumores, a maior e mais delicada realizada pelo vice-presidente, durou quase 18 horas.
2009 - Exames realizados em maio detectaram a recorrência da doença. O vice-presidente é novamente encaminhado para os Estados Unidos para se submeter a um tratamento experimental contra o câncer, com remédios ainda em fase de testes.
2009 – Em julho, o vice-presidente volta a ser internado com fortes dores abdominais devido a obstruções nas alças (dobras) do intestino. Uma nova cirurgia é realizada no dia 9 para desobstrução do órgão e retirada de novos tumores.
2010 – Em janeiro, o Hospital Sírio-Libanês informa que o tumor do vice-presidente da República, José Alencar, apresenta redução.
2010 – No início de maio, numa das idas ao hospital para quimioterapia, Alencar apresenta pressão alta. Exames apontaram isquemia cardíaca e uma “obstrução grave” numa das artérias. Alencar então passa por um cateterismo e uma angioplastia e recebe um “stent”, um mecanismo que “alarga” a artéria. No total, fica nove dias internado.
2010 – No final de maio, queixando-se de fadiga, é internado novamente. Após exames, o hospital constata que ele está anêmico e tem um “quadro congestivo pulmonar”, consequência da quimioterapia.
2010 – A professora aposentada Rosemary de Morais, de 55 anos, obtém na Justiça, em julho, o reconhecimento de que é filha de Alencar, depois de ele se recusar a fazer o teste de DNA.
2010 – No final de agosto, contrai uma infecção, tratada com antibióticos. Ele seria internado novamente poucos dias depois, no início de setembro, com o diagnóstico de edema agudo de pulmão. Foram mais seis dias no hospital.
2010 – Em setembro, é internado em razão de um edema agudo de pulmão. No dia 25 de outubro, volta ao Sírio-Libanês ao apresentar um quadro de suboclusão intestinal. Dias após a internação, ainda no hospital, sofre um infarto no fim da tarde do dia 11 de novembro.
2010 - De 23 de novembro a 17 de dezembro, Alencar fica internado para tratar uma obstrução intestinal decorrente dos tumores no abdômen. No dia 27 de novembro, é submetido a uma cirurgia para retirada de parte do tumor e de parte do intestino delgado.
2010 – Alencar é internado com quadro de hemorragia digestiva grave. Os médicos tentam uma cirurgia de emergência, mas não conseguem chegar ao ponto do sangramento. A equipe usa medicamentos para conter a hemorragia, mas ela volta a ser verificada no dia 24. Um novo procedimento é realizado quatro dias depois, com sucesso, para localizar o ponto da hemorragia.
2011 – No dia 25 de janeiro, é um dos homenageados no aniversário de São Paulo, depois de 33 dias de internação.
2011 – No dia 9 de fevereiro, Alencar volta a ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), após uma perfuração no intestino.
2011- O ex-vice-presidente volta a ser internado no Hospital Sírio-Libanês, no dia 28 de março, com quadro de “suboclusão intestinal, em condições críticas”.
 
Do G1, em Brasília
 
 
 
Do G1, em Brasília
 
Do G1, em Brasília

 

Retornar 
Copyright @ 2008 - Todos os direitos reservados.