Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


Acessos -
Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /home/jornalpr/public_html/Connections/dbgeral_gersite.php on line 5
161934


Clique aqui para acessar


FACEBOOK

*JORGE DA SILVA SILVA
http://www.facebook.com/PrJorgeSilva

*MÁRIKA SOARES COSTA
http://www.facebook.com/MARIKASOARESCOSTA


Clique aqui e confira as fotos



CLIQUE AQUI E CONFIRA AS FOTOS



CLIQUE AQUI E CONFIRA AS FOTOS


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos

Clique aqui e confira as fotos


Clique aqui e confira as fotos


 

Boa Tarde! Hoje é: 23/10/2018
Artigos

Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /home/jornalpr/public_html/Connections/dbgeral_gersite.php on line 5

O LÍDER CRISTÃO E SEUS DESAFIOS NA SOCIEDADE

       PASTOR ALAN BRIZOTTI

 

Estamos vivendo a era da banalidade: do Big Brother à secularização da fé cristã, tudo hoje vem tatuado pelo vazio. Jung chamou o vazio de “neurose geral da era moderna”. O século XX foi conhecido como a “era da ansiedade”, e um historiador disse que poderia ter sido escrito em sua lápide: “como o dinossauro, ele teve força sem a capacidade de aprender”.

         O século XXI já nasceu batizado de a “era da decepção”. Ansiamos pela gestação do futuro, mas nos decepcionamos quando esse futuro chegou.  Sociedade do vácuo: crianças reféns da “síndrome da agenda lotada”; juventude sem sonhos e velhos que já não sabem mais se definir: Terceira idade? Melhor idade? Qual idade?

         A sociedade anseia por verdadeiros líderes. Homens e mulheres marcados pelo compromisso com Deus e com os outros. Quando isso acontece, a própria história fica registrada como testemunho – o mundo vê aquilo que ministramos.

         Estou morando em Goiânia há um ano e meio, nesse tempo tive a honra de ser ministrado por um líder que admiro – um líder de verdade – pr. Oídes José do Carmo. Um homem de visão extraordinária, que tem contribuído de uma forma inigualável em meu ministério. Quando um Estado tem líderes como esse pode glorificar a Deus e preparar-se para colher os resultados de um tempo de abundância.

         Mas, infelizmente líderes assim ainda são poucos. A sociedade ainda clama por muitos outros marcados por Deus e pela excelência. Uma pergunta tem me intrigado:

 

         Quais são os maiores desafios da liderança numa sociedade sem Deus?O que a sociedade em crise espera de nós?

 

         1- O desafio da relevância. É a igreja que não se reduz à geografia morta das cidades (não fica reduzida a ponto de referência). É a igreja na cidade e da cidade! Para que a igreja seja relevante, o líder tem que ser reconhecido como homem de Deus. O povo está cansado do charlatanismo gospel.

         Igreja relevante na cidade não é aquela que tem o melhor prédio (mentalidade de shopping), nem as melhores páginas na internet (mentalidade dos caçadores de novidades), pois isso pode ser uma técnica do inimigo para nos levar a sermos apaixonados pelo nada.

         Igreja relevante na cidade é aquela onde sobra em suas relações o que falta lá fora, no “deserto do real”: amor, diálogo, respeito e graça! A sociedade ainda encarna Tomé: gente que não quer saber sobre marcas da cruz – quer tocar! Gente procurando ver em nós aquilo que escuta de nós!

 

         2 - O desafio da integridade. Impera na sociedade um senso do cansaço, da insatisfação com seus líderes. Um olhar desapontado para um horizonte frustrante. Vivemos numa sociedade carente de heróis. Essa carência é ressonância de um estado de alma, um psiquismo abalado pela crise de referenciais. Sociedade sem pecado: uma sociedade onde Deus é visto como conceito e a teologia apenas como ciência – já não há o desespero do perdido.

         A sociedade clama por integridade:

 

         -Integridade no falar e no agir: a mescla perfeita entre a ortodoxia e a ortopraxia: “sim, sim e não, não”.

         -Integridade na essência: é a igreja que rompe com a teatralização da fé. Uma igreja que tenha a natureza curada.

         -Integridade nas relações: uma igreja que mostre à sociedade o caráter curador das nossas relações.

 

         3- O desafio da aproximação. É quebrar a barreira templo/rua. Jesus vivia uma fé de reflexos públicos - uma teologia da rua. É a “Missio Dei”: a Missão de Deus. Deus sempre se preocupou com a cidade: “Vai à grande cidade de Nínive” – foi o que Deus ordenou a Jonas. O livro de Jonas mostra um Deus que pede não um sermão enlatado nos púlpitos da religião, mas a respiração do mesmo ar.

         Deus procura líderes que vivam a vida das ruas. Eugene Peterson diz que “o que os pastores fazem aos domingos costuma ser diferente do que fazem entre os domingos”. É preciso fazer a conexão certa entre o domingo e a segunda-feira. Entre o púlpito e a feira; o congresso e o colégio do filho. É ver a lágrima nos olhos do aflito, não apenas saber sobre isso. A sociedade não quer pastores acima e de costas para o povo, mas gente de Deus levando Deus para o barulho da praça.

        

         4- O desafio da transformação radical da realidade. Em Atos, Jesus ordena aos discípulos que fiquem em Jerusalém até serem revestidos de poder. Ao invés de apontar um caminho, apontou uma parada: a estação das transformações. Esse é o padrão de Deus: só os transformados podem sinalizar transformação.

         Atos é um livro que começa com uma igreja esperando... Uma igreja que se recusa a entrar na sociedade sem o Espírito Prometido! Uma igreja que sabe quem é. Sabe que não é uma reunião de sócios de um clube divino, mas o exército da cruz avançando na cidade. Um escritor Puritano dizia que “a igreja não é uma frota de luxuosos iates, mas um grupo de barquinhos de pesca”.

         Jesus revestiu aquela igreja de poder e, imediatamente a direcionou para transformar radicalmente a realidade do mundo à sua volta (ele sabia que poder sem trabalho acaba matando no colo macio da ociosidade). Por isso Jesus os direcionou a Jerusalém, Judeia, Samaria e até os confins da terra, ou seja:

         Jerusalém: Uma igreja que transforma a mentalidade dos dogmas;

         Judeia: Uma igreja que transforma a mentalidade dos esquemas de merecimento;

         Samaria: Uma igreja que transforma a mentalidade das diferenças mortais;

         Confins da terra: Uma igreja que transforma a mentalidade do gueto, do bairrismo.

         A grande realidade da Bíblia é que Jesus sempre transformava! A sociedade precisa ser impactada pela igreja. Chega dessa igreja acorrentada ao templo: a cidade nos aguarda! É tempo de levantar os olhos: há colheita nos campos!

 

Sobre o autor: O Pastor Alan Brizotti é um amante das artes, filosofia, poesia e teologia. Pesquisador e escritor. Membro da Assembleia de Deus – Sede - Campo Campinas - Goiânia/Go. E-mail: alanbrizotti@hotmail.com

 AGENDAS: agendaalanbrizotti@hotmail.com / Tratar com Cleusson Ribas


 

 

Retornar 
Copyright @ 2008 - Todos os direitos reservados.